Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

A importância dos seguros

Os seguros têm uma importância Social e Económica. Os seguros são uma fonte de equilíbrio e tranquilidade contribuindo para eliminar a ansiedade decorrente da insegurança face às incertezas do futuro. Diminuindo desta forma o risco de perdas patrimoniais a que se está sujeito.  Estar segurado é  estar protegido, mas não só.

Na importância social dos seguros, existem duas grandes áreas de actuação:

  • Reparação de Danos Pessoais e Materiais
  • Previdência

Vamos agora analisar cada um dos factores que motivam e fundamentam a existência de seguros, e de que forma são indispensáveis nas sociedades modernas, onde cada vez mais reina a incerteza face ao futuro. Pois vivemos num clima de

Reparação de Danos Pessoais e Materiais

Com vista à protecção de riscos, sejam eles materiais ou pessoais. Compensação das consequências desfavoráveis da concretização de riscos em pessoas como por exemplo: acidentes pessoais, acidentes de trabalho ou doença. E na cobertura de prejuízos  relacionados com bens:  imobiliário, meios de transporte, jóias, obras de arte e tudo o seja susceptível de ser segurado.

Previdência

Aplicação de Recursos

Num dos ramos dos seguros, produtos financeiros, providenciam   O controlo rigoroso imposto pelo Instituto de Seguros de Portugal às Companhias Seguradoras que vendem produtos financeiros são obrigadas à constituir de reservas financeiras. Estas reservas financeiras fazer parte das garantias exigidas por lei e são canalizadas para outros activos financeiros.

Instrumento de Facilitação do Crédito

Na concessão de crédito são sempre necessárias garantias, a instituição financeira quer providenciar certezas face a recebimentos futuros, assim exigem a contratação de apólices de seguro que satisfação as principais incertezas. Assim os seguros actuam como instrumentos facilitadores da actividade de financiamento, favorecendo o crédito à habitação e ao consumo, em geral, ao protegerem a entidade financiadora face ao risco de incumprimento por parte dos titulares dos contratos de crédito.

Estabilização da Actividade Económica

Como seguradoras assumem um papel de moderação do risco, criam um clima de confiança nos vários agentes económicos. Podemos concluir que o seguro actua perante os agentes económicos como moderador de perdas. Na verdade, o seguro não elimina o risco, mas reduz os danos causados pelos sinistros nas ocorrências danosas.

Apoio ao Desenvolvimento das Exportações

Nas exportações são necessárias garantias, que as cargas chegam ao seu destino, os riscos que o transporte envolve podem ser cobertos para diminuir a imprevisibilidade de algo correr mal. Os intervenientes destas operações não sofrerão prejuízos em caso de sinistro, dado que a entidade seguradora onde foi segurado o risco reporá o valor das mercadorias.

Com este artigo pretendemos explicar porque existem os seguros e como são importantes fontes de harmonia e estabilidade na protecção de bens e pessoas.

Subscrever actualizações

rss

Comentários

  1. Marisa feliciano diz:

    Gostei deu pa entender

  2. Manuel António Gaspar diz:

    este artigo é imprescindível para os fins didática e não só,portanto gostei das informações daqui transmitido. os meus agradecimento ao autor!!



AVISO:Todos os artigos publicados no blogue mediador.pt são puramente informativos e não podem ser confundidos com aconselhamento financeiro.